Quando meu filho deve trocar de escola? Veja como saber a hora certa!

Trocar de escola os filhos é uma questão delicada e que merece alguns cuidados, pois essa interferência mexe muito com a vida social da criança e/ou do jovem. Além disso, é importante levar em consideração alguns pontos relevantes para a escolha de uma nova instituição.

O ideal, é claro, seria que o estudante pudesse passar a sua vida escolar em um só lugar, mas sabemos que isso, muitas vezes, não é possível por diversos motivos relacionados a fatores familiares, pessoais e institucionais.

No entanto, como alguns têm muita resistência às mudanças, observar alguns pontos e saber agir no momento certo dessa transição pode ser algo benéfico. Às vezes, mesmo que a unidade educacional seja boa, ela pode não ser o ambiente ideal para o seu filho, por isso, é interessante saber reconhecer esses fatores para uma tomada de decisão acertada.

Para tanto, os pais devem ficar atentos ao desempenho escolar e ao comportamento dos pequenos. Pensando nessa questão, elaboramos este artigo para que você saiba identificar a hora certa de mudar o seu filho de escola. Continue a leitura!

Como saber a hora certa de trocar de escola?

Há uma unanimidade entre os especialistas quanto à melhor época para fazer esse tipo de mudança, que é o fim do ano letivo. Dessa forma, há o encerramento de um ciclo, o que torna essa transição menos impactante para o aluno.

Entretanto, alguns fatores associados à criança/ao jovem e à escola devem ser observados e levados em consideração para que isso ocorra antes do encerramento anual. Veja a seguir!

Observe o rendimento escolar

Um baixo rendimento deve ser um motivo de preocupação para os pais. As notas avaliam o desempenho e, de certa forma, o aprendizado do conteúdo aplicado. Dificuldades são comuns em uma pequena quantidade de matérias, mas se o problema se estende a várias disciplinas, o sinal de alerta deve ser ligado.

São vários os fatores que contribuem para um baixo rendimento escolar e eles podem estar relacionados ao próprio estudante ou aos métodos de ensino da escola. Portanto, é importante acompanhar a vida acadêmica do seu filho.

Atente para qualquer dificuldade de comunicação com a escola

A participação da família no processo educacional é um dos principais fatores para o sucesso dos alunos. Os pais e os responsáveis devem estar presentes em reuniões e auxiliá-los nas tarefas de casa, por exemplo.

A escola também deve oferecer uma fácil comunicação aos familiares, já que o diálogo faz parte de um bom relacionamento. Ela deve disponibilizar oportunidades para encontros entre os pais e os professores e estar de portas abertas para recebê-los a qualquer momento.

Converse com o seu filho

O estabelecimento de uma comunicação com o seu filho será a base para conhecê-lo bem e essa prática não se estende somente à vida escolar. Isso é especialmente importante para observar se ele apresenta uma mudança de comportamento muito radical. As crianças, de modo geral, até os oito anos, têm um encantamento natural pela aprendizagem, pois são muito curiosas. Quando é observado certo desânimo, é recomendável ficar de olho para identificar o que há de errado.

O bullying, por exemplo, é um problema muito comum nas escolas. Esse tipo de violência pode causar consequências graves à saúde emocional do indivíduo. Quando ele é identificado na instituição, deve haver uma mobilização por parte da equipe pedagógica para contê-lo. Então, observar como a unidade educacional cuida desse assunto pode ajudar na tomada de decisão.

Verifique mudanças na rotina de sono

As alterações que ocorrem na rotina noturna estão muito relacionadas às atividades diárias. Quando algo não vai bem, tendemos a dormir mal — e o mesmo acontece com as crianças/os jovens. Portanto, qualquer dificuldade acerca da questão precisa ser investigada.

A melhor maneira de entender o que vem acontecendo e de ajudar os seus filhos é escutando, ou seja, permitindo que falem sobre o dia a dia. Um questionamento acerca de como foram as atividades na escola e sobre as relações com os colegas de classe pode iniciar um diálogo construtivo.

Vale fazer uma ressalva, porém, de que nem todas as preocupações da infância são relacionadas à vida escolar. A criança é um ser em desenvolvimento e passa por vários grupos de convivência que também merecem atenção.

Analise os diferenciais que a unidade educacional oferece

Esse é mais um ponto a ser considerado. A ausência da oferta de atividades extracurriculares, por exemplo, é uma das razões para que as crianças desanimem. Os jovens, quando estimulados, são extremamente criativos e ativos.

Sabemos que prender a atenção deles atualmente é um desafio, portanto, a instituição deve investir em estratégias e em métodos diversificados para que os estudantes se mantenham interessados e participativos. Um dos diferenciais que podem ser oferecidos é o ensino diversificado de línguas estrangeiras. Hoje, vivemos em um mundo globalizado, de modo que saber mais de um idioma é um requisito básico para o meio social.

Observe se há irritação e alguma resistência para ir à aula

Durante certa idade — entre os 11 e 12 anos —, é normal que a criança apresente alguma resistência para frequentar as aulas, já que os seus interesses pessoais vão mudando. Às vezes, esse fator não está relacionado necessariamente ao ambiente escolar, mas, sim, a um processo particular de desenvolvimento de gostos por parte do adolescente.

No entanto, é importante observar as proporções da resistência. Uma irritação constante e mudanças de comportamento podem indicar uma sobrecarga de atividades. Os compromissos escolares são importantes, mas não devem ser os únicos. É fundamental que crianças e jovens tenham tempo para descansar e se divertir.

Avalie a metodologia pedagógica

A proposta pedagógica da escola deve ser elaborada considerando mais do que os ensinamentos curriculares. Ela deve abordar os valores que permeiam a nossa sociedade, por exemplo, como a empatia, o respeito, a valorização da diversidade etc.

Como vimos, há muitos fatores que podem contribuir para a percepção da necessidade de trocar de escola uma criança. Esse ambiente deve ser edificante para o caráter de um indivíduo e deve promover sentimentos de pertencimento a determinado grupo. Portanto, manter uma conversa com o seu filho e analisar o seu comportamento pode ajudar nessa tomada de decisão. 

O Colégio Franco-Brasileiro, por exemplo, tem por objetivo a excelência no ensino e vem investindo em tecnologias e em melhorias pedagógicas para potencializar os estudos dos alunos. Temos mais de 100 anos de experiência na área educacional. Os nossos pilares são pautados no desenvolvimento da empatia, do respeito e da criatividade das crianças e dos adolescentes.

Este post sobre quando trocar de escola os filhos foi útil? Para mais informações sobre as nossas propostas pedagógicas, acerca dos valores e dos nossos diferenciais, acesse o nosso site e entre em contato conosco!

Compartilhe!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.